Cotação seguro de vida para caminhoneiro

Quem tem uma apólice de seguro vida e consegue se aposentar pelo INSS por doença pode ter o pagamento da indenização recusado pela seguradora?

Essa recusa pode acontecer. Nos casos de invalidez permanente é preciso que a comprovação se dê por declaração médica e exames clínicos objetivos. A aposentadoria por invalidez que é concedida pelas instituições oficiais de previdência ou suas assemelhadas não caracteriza o estado de invalidez permanente que as seguradoras aceitam para realizar o pagamento da indenização do seguro. Caso exista alguma divergência quanto a natureza, causa ou a extensão das lesões assim como da avaliação de incapacidade relacionada ao segurado, a empresa deve propor através de correspondência escrita num prazo de 15 dias contados a partir da data de contestação, a constituição da junta médica. Ofertar cobertura condicionando o pagamento de indenização a impossibilidade do seguro exercer qualquer tipo de atividade de trabalho fica proibida.

seguro de transportes
seguro para transportes

Os jovens que possuem menos que 14 anos podem fazer um seguro vida?

Para aqueles que são menores de 14 anos exclusivamente é permitido que seja oferecido e contratado coberturas por sobrevivência ou riscos que estejam relacionados ao reembolso das despesas como é o caso das despesas com médicos ou funerárias, odontológica e hospitalar decorrente de acidente pessoal.

Quem é deficiente físico pode contratar um seguro vida?

Nenhum portador de deficiência física pode ser rejeitado por uma seguradora por ele ser deficiente. Todas as propostas que forem feitas por portador de alguma necessidade especial precisam informar qual o grau de invalidez preexistente, pois isso limita a responsabilidade da seguradora. Se a seguradora recusar a proposta revela que a mesma está discriminando e isso é passível de punição que está prevista em lei.

É permitido resgatar o seguro vida?

O resgate é a restituição do montante que foi acumulado na reserva observando o regime financeiro que foi adotado na estruturação do plano. Boa parte dos seguros que cobrem risco tem sua estruturação no regime financeiro de repartição que todos os prêmios são pagos aos segurados do mesmo plano em determinado período, destinando-se a custear as despesas de administração e indenização que deve ser paga no mesmo período. Os valores que são arrecadados nesse regime se destinam a pagar as indenizações dos eventos que ocorrerem nesse período sem que haja acúmulo individual. Com isso, as coberturas que são estruturadas nesse regime não permitem o resgate nem a devolução de qualquer prêmio que tenha sido pago. O segurado e seu beneficiário somente tem direito a receber a indenização quando o sinistro acontece. Mas os seguros vida que são estruturados com o regime de capitalização preveem que as reservas  são constituídas dos prêmios que os segurados pagam descontando as importâncias utilizadas para cobrir despesas do plano e a parcela que se destina a cobrir o risco do período. Nesse caso, existe a previsão de concessão de resgate. É importante que seja destacado que o resgate não vai corresponder a totalidade dos prêmios pagos, pois uma parte deste foi usada para cobrir as demais despesas do plano assim como o risco do período. Os planos que são estruturados nesse regime dão o direito a devolver parte do que foi pago se houver cancelamento.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *